O Fig Estudos e Investigação

Para além do apelo imediato aos sentidos, as figuras gigantes encerram em si História. A história de homens e de mulheres; a história de tradições que passam de geração em geração; as estórias que sobrevivem ao esquecimento.

O FIG tem, ao longo das diversas edições, procurado - de forma mais ou menos sistemática - contribuir para o conhecimento deste património cultural. A publicação "Nos Trilhos dos Gigantes", em 2003, é resultado desse processo de descoberta.

 

Na 6.º edição do festival foi apresentado o documentário «Arte da Desproporção», onde se pretende dar a conhecer alguns dos atuais protagonistas deste imenso mundo da performance, e identificar algumas das técnicas utilizadas na construção dos gigantes e cabeçudos. O documentário está disponível no acervo do Museu Municipal de Palmela, no site www.memoriamedia.net.

Em 2009, fruto da parceria com o IELT, foi publicado o livro «Gigantes e outras desmesuras». Trata-se de uma compilação de sete histórias tradicionais portuguesas, com origem em diferentes pontos no país, que nos convida a redimensionar a criatividade.

 

Na edição de 2011, foi apresentada a Maleta Pedagógica «Gigantes, cabeçudos e outras coisas do arco-da-velha». Resultado da parceria entre o FIG e o Museu Municipal de Palmela, foi concebida para poder viajar pelas escolas e outras instituições, num incentivo à reinvenção. Porque acreditamos que a Cultura é um recurso inesgotável que se multiplica pela experiência, esta Maleta é consequência de uma estratégia de sustentabilidade do próprio Festival que pretende contribuir para a emergência de novos públicos e artistas, potenciando a produção cultural no concelho.

 
Parcerias

Tratando-se de um património performativo para o qual concorrem saberes e técnicas de campos de conhecimento diferentes, o estudo e investigação só são possíveis pela partilha que decorre de uma rede de contactos e parcerias que vai solidificando a descoberta e vai permitindo instigar novas questões, novas procuras e novas paisagens.